quinta-feira, 15 de junho de 2017

EXCLUSIVO: FLU TEM NOVO PROJETO DE ESTÁDIO, DESTA VEZ, NO PARQUE OLÍMPICO

Palco tricolor terá capacidade para 25 mil pessoas
 
Durante muitos anos era inconcebível para a torcida do Fluminense mirar o horizonte sem o Maracanã como paisagem. As sucessivas obras no “Maior do Mundo”, porém, diminuíram a capacidade de público e, ao mesmo tempo, aumentaram os custos para a utilização do espaço, sobretudo em confrontos de pequeno porte. Só no início de Campeonato Brasileiro de 2017, o clube das Laranjeiras soma mais de R$1 milhão de déficit, considerando apenas as três duelos realizados no Mário Filho. Devido aos constantes prejuízos, o Fluminense, através do vice de projetos especiais, Pedro Antônio Ribeiro, pretende olhar o estádio somente pelo retrovisor em partidas de menor apelo, já com a rota definida no GPS para um novo palco: o Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.
Peter, ainda como presidente do Flu, e Pedro Abad, na condição de mandatário do Conselho Fiscal, assinaram um memorando de entendimentos que acabou não saindo do papel, dada a burocracia e condições geológicas do terreno (Foto: Paulo Brito/NETFLU)
Por intermédio do responsável pelo centro de treinamentos, o projeto já foi finalizado, incluindo a maquete, e não deve ser freado pelo poder público, interessado em aproveitar o legado olímpico na região. Enquanto isso, o estádio prometido próximo à Vila do Pan, ao lado do Uptown Barra (vídeo do terreno), anunciado no evento do lançamento oficial da candidatura de Pedro Abad à presidência, passará por um desmanche antes mesmo de sair de papel – ou do memorando de entendimentos para a compra do terreno, assinado por Peter, mandatário na ocasião, e Abad, quando ainda era o comandante do Conselho Fiscal.
Fugindo da “moda” das arenas atuais, a casa tricolor apresentada no programa de Abad à presidência, teria o estilo alçapão, com capacidade entre 30 e 42 mil torcedores, ainda a ser avaliada. Se neste caso, o Fluminense teria como obrigação descrita no documento de fazer manobras políticas junto à Prefeitura para modificar às regras de construção no local, no Parque Olímpico, a logística e entorno facilitam o trânsito de obras.
Local onde era prevista, inicialmente, a construção do estádio do Fluminense, próximo ao Barra Music, há pouco mais de 1km do CT (Foto: Reprodução Google)
Um dos argumentos da investida de Pedro Antônio é que a Odebrecht sairá do Parque Olímpico. A Parceria Público Privada (PPP) feita no governo do ex-prefeito Eduardo Paes para gerir o empreendimento antes, durante e depois das Olimpíadas teve o freio de mão puxado. A construtora, aliada à Prefeitura, teria de desmontar três arenas e transformá-las em escolas, num custo estimado de R$ 70 milhões. Com aspecto de “cidade fantasma”, o local recebeu apenas um evento esportivo neste ano e não tem previsão para mais nada além do Rock in Rio neste segundo semestre.
Os custos anuais para a administração de todo o espaço beiram os R$ 17 milhões, o que só reforça a ideia de Pedro Antônio em “dar a partida” para que o estádio tricolor, finalmente, nasça. Além disso, os prejuízos da Odebrecht ultrapassaram os R$ 173 milhões. É como se um veículo de luxo fosse dirigido por uma empresa e, na inviabilidade de mantê-lo, a montadora, no caso a Prefeitura, tomasse o automóvel de volta e assumisse os custos por combustível e manutenção. Ou seja, a conta segue sendo paga pelo contribuinte.
Neste sentido, o vice de projetos especiais do Fluminense está debruçado num plano para utilizar os materiais das arenas a serem desmontadas, erguendo um estádio de 25 mil lugares. No início da semana, o dirigente se reuniu com figuras políticas importantes, além do Secretário de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação, Índio da Costa, que é torcedor do Fluminense e está apoiando a iniciativa.
No encontro, já gozando da simpatia do prefeito Marcelo Crivella, todas as partes demonstraram otimismo, principalmente porque a Prefeitura, tampouco o Ministério dos Esportes têm condições de assumir o Parque Olímpico. Acredita-se que a construção de um estádio para o Tricolor desengataria a ré e colocaria o empreendimento novamente nos eixos. O Fluminense teria uma cessão de uso de terreno, similar ao CT. Assim como apoiou o Flamengo por uma “casa”, Crivella está inclinado em fazer o mesmo pelo clube de Laranjeiras.
Até o fechamento desta edição, a Prefeitura do Rio não respondeu aos contatos do NETFLUpara falar sobre o tema. Procurado pela reportagem do site número 1 da torcida tricolor, Pedro Antônio não quis se pronunciar, salientando que tem trabalhado duro pelo Fluminense.
A assessoria do presidente Pedro Abad também foi acionada e, assim como o vice de projetos especiais, comunicou que o clube não iria se manifestar a respeito do assunto. No entanto, o mandatário já havia dado pistas sobre a questão no fim do mês passado, quando convocou uma coletiva no centro de treinamentos e comentou sobre finanças e futebol, o motor do engajamento da atual gestão.
– O que posso dizer é que as coisas estão andando. A gente tem estratégia que envolve segredo. Há pessoas que cuidam disso neste momento. Eu sei que é ruim não ter notícia concreta. Mas será muito melhor quando tivermos algo definitivo. Vamos apresentar um plano que as pessoas vão entender – contou o presidente.
Outro ângulo do Parque Olímpico, onde deve ser construído o estádio do Fluminense para 25 mil pessoas (Foto: Reprodução Internet)
No final da tarde de quarta-feira (14/06), depois do último treino do elenco tricolor para encarar o Grêmio, em duelo válido pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, o técnico Abel Braga fora questionado pelo NETFLU, durante entrevista coletiva no CT, sobre os custos do Maracanã e a possibilidade real de o Flu desistir de Edson Passos. Acelerando em direção à sinceridade, como de costume, o treinador criticou toda a situação e ainda falou do projeto do novo estádio, apesar de muita gente ter imaginado, naquele momento, que se referisse ao que fora apresentado na campanha de Pedro Abad, em novembro de 2016.
– Eu te falo isso com uma convicção muito grande. Sou o terceiro treinador com o maior número de jogos, com 256. Eu nunca tive casa. Nem em 2005… Não pode, cara. Mas vai ter uma casa logo. Não pode jogar todo o jogo com prejuízo de R$ 300 mil. Isso é surreal. Você se torna 30% mais forte quando se tem casa. É só ver o percentual de vitória dos mandantes no Brasileiro. Nos 10 jogos que ficou sem vencer no Brasileiro do ano passado, se tivesse ganho uns três, iria para a Libertadores. É uma questão de honra aos tricolores. Tem conversas com amigos. O Fluminense vai ter uma casa, não tenho a menor dúvida. Já tem até maquete. Isso tem de acontecer. Pode demorar um pouco, mas com o Pedro Antonio pode ser mais rápido – revelou.
Segundo informações oficiais, o Parque Olímpico da Barra fica em um terreno de 1,18 milhão de metros quadrados onde foram disputadas 16 modalidades olímpicas. O desenvolvimento do esporte é tido como fundamental para que a região não vire um gigantesco e bilionário elefante branco.
Botafoguense, o prefeito Crivella vê com bons olhos a solução encontrada pelo vice de projetos especiais do Fluminense, embora ainda não exista uma explicação clara de onde sairia o dinheiro, sobretudo devido ao cenário financeiro caótico do clube.
Pessoas ligadas a Pedro Antonio garantem que ele já existem alguns parceiros interessados, o que não fora confirmado pelo NETFLU, nem mesmo o boato que circula de que a sede tricolor, em Laranjeiras, seria utilizada como garantia ou moeda de troca pelo terreno do estádio.
Paralelamente a isto, dada a euforia nos bastidores, o torcedor verde, branco e grená, acostumado a acompanhar o Fluminense onde for jogar, já pode fazer um test drive na imaginação. A rota não é mistério algum, com facilidade para a chegada de ônibus, metrô, BRT e, obviamente, carro. Apesar de, por ora, não ter posto nada em prática, Pedro Antônio convida a torcida a pegar carona neste sonho.

Nenhum comentário: