sexta-feira, 23 de junho de 2017

FLUMINENSE TERÁ ALTERAÇÕES NA LISTA DE INSCRITOS NA COPA SUL-AMERICANA

Dois atletas já deixaram o clube e dois estão lesionados
 
A Conmebol anunciou que os clubes poderão fazer até seis mudanças na lista de inscritos da segunda fase da Copa Sul-Americana. O Fluminense é um que, certamente, terá alterações.
Danielzinho e Osvaldo, que foram negociados com Oeste e Sport, respectivamente, Luiz Fernando, que só volta deve voltar a jogar em 2018, e Gum, lesionado, serão substituídos.
O lateral-esquerdo Mascarenhas, o meia Robert e os atacantes Matheus Alessandro e Felipe não estão inscritos e podem substituir os nomes supracitados. Luquinhas e Peu, que estavam no STK Fluminense Samorin, também devem constar na lista.

DOURADO TEM O MESMO NÚMERO OU MAIS GOLS DO QUE NOVE CLUBES NO BRASILEIRÃO

Ceifador está a cinco gols de igualar artilheiros do último campeonato
 
Artilheiro do Campeonato Brasileiro com nove gols, Henrique Dourado tem feito mais do que quase a metade dos times da competição. O número de tentos do Ceifador é o mesmo ou maior do que nove equipes.
O Santos, terceiro colocado, também marcou nove vezes na competição e no outro extremo da tabela o lanterna Avaí fez somente três.
O atacante do Fluminense já está próximo da marca dos artilheiros do último Brasileirão. Fred, William Pottker e Diego Souza fizeram 14 gols no torneio de 2016.
Ataques com nove ou menos gols:
Santos: 9 gols
Coritiba: 9 gols
São Paulo: 9 gols
Atlético-MG: 9 gols
Cruzeiro: 8 gols
Vitória: 8 gols
Atlético-PR: 7 gols
Atlético-GO: 7 gols
Avaí: 3 gols
FONTELancenet

FLUMINENSE NO ENGENHÃO: ALUGUEL REDUZIDO E RENDA LÍQUIDA DAS BILHETERIAS

Estádio Nilton Santos seria uma alternativa ao Maracanã
 
Como já é sabido, Fluminense e Botafogo discutem uma parceria para o uso comunitário do Engenhão. O Alvinegro já formalizou uma proposta e espera uma resposta do Tricolor, que estuda a oferta.
No modelo oferecido, o Botafogo topa reduzir o valor de aluguel que foi praticado durante o Campeonato Carioca, que foi de R$ 200 mil por jogo. Mas para isso, o Fluminense teria que fechar um pacote mínimo de partidas até dezembro. Com isso, o Tricolor passaria a ter direito à renda líquida das bilheterias de seus duelos no estádio como mandante, em compensação o Alvinegro manteria os lucros com os bares e estacionamento do estádio.
Como o Giulite Coutinho está em vias de ter o alvará expedido pela prefeitura de Mesquita, com a possibilidade de sediar o confronto com a Chapecoense, dia 3 de julho, pelo Brasileirão, o Estádio Nilton Santos poderá ser uma opção ao Maracanã.
FONTEGloboesporte.com

NO MEIO DO ANO, HENRIQUE DOURADO JÁ SUPEROU DOIS DOS SEIS ÚLTIMOS ARTILHEIROS DO FLU

Ceifador registra 20 gols no ano
 
A temporada está apenas na metade e Henrique Dourado tem tudo para se tornar um dos maiores artilheiros do Fluminense dos últimos anos. Já marcou 20 gols em 2017, superando dois dos últimos seis goleadores do time.
O Ceifador já balançou redes mais vezes do que o artilheiro do Tricolor em 2016, Cícero, que marcou 16 gols, e Rafael Sobis, em 2013, com 17. Está a apenas três de superar o matador de 2015, Fred, que terminou aquela temporada com 22.
O desafio é superar o ex-camisa 9 nas três melhores épocas pelo Fluminense. Pelo ritmo de Dourado é possível que supere a marca do ídolo tricolor em 2014, quando este fez 27 gols. O. Em 2011, Fred anotou 30 gols e em 2011, sua temporada mais eficiente, 34. Será que o Ceifador chega lá?
Confira os últimos artilheiros do Fluminense:
2017: Henrique Dourado – 20 gols
2016: Cícero – 16 gols
2015: Fred – 22 gols
2014: Fred 27 gols
2013: Rafael Sobis – 17 gols
2012: Fred – 30 gols
2011: Fred – 34 gols
FONTERedação NETFLU

RIVAL TAMBÉM QUER A CONSTRUÇÃO DE ESTÁDIO NO PARQUE OLÍMPICO

Mas se Fla vencer a licitação pelo Maracanã, ideia seria abortada
 
O Fluminense não é o único que deseja a construção de um estádio na área onde está localizado o Parque Olímpico. Segundo o portal Uol, o Flamengo sinalizou à Prefeitura do Rio de Janeiro o mesmo interesse, ideia que é discutida há alguns meses pelos dirigentes rubro-negros. Após a informação de um projeto do Tricolor no mesmo local, o rival reiterou aos responsáveis pela prefeitura a necessidade de uma licitação.
Tricolor e rubro-negro querem construir um estádio na área localizada atrás da Jeunesse Arena – utilizada para as competições de ginástica na Olimpíada do Rio-2016. Com os rivais interessados no local, a prefeitura acredita que o caso se encaminhe realmente para a licitação. E, se antes via o Fluminense mais próximo, hoje o poder público crê em uma disputa aberta entre os dois clubes cariocas.
A arena de médio porte na Gávea também é pauta no Flamengo. O clube ainda não pretende desistir do projeto, apesar das dificuldades. A ideia é a de ter uma casa com capacidade para 25 mil pessoas na sede da zona sul e outra maior, que seria no Parque Olímpico.
Entretanto, caso a nova licitação do Maracanã seja confirmada e o Fla vença a disputa, arquivará os planos de uma casa no Parque Olímpico, deixando o caminho livre para o Fluminense.
Em 15 de junho, o NETFLU divulgou com exclusividade o novo projeto do Fluminense em construir um estádio no local que abrigou várias modalidades nos Jogos Olímpicos de 2016. A matéria completa você confere aqui.

CEIFADOR VIVE MELHOR FASE DA CARREIRA, SUPERA DUAS MARCAS E PODE ULTRAPASSAR OUTRAS

Atacante é o artilheiro do Brasileirão com nove gols
 
O apelido de Ceifador pegou quando Henrique Dourado jogava pelo Palmeiras. Entretanto, o atacante nunca “ceifou” tanto quanto neste ano pelo Fluminense. Ele vive a melhor fase da carreira, com feitos sendo alcançados e outros que estão por vir.
A primeira marca é o de gols por um clube, marca que foi superada com os 22 marcados até agora pelo Fluminense (o Palmeiras vem em segundo, com 18). Outro número capaz de deixar o atacante orgulhoso – e os torcedores do Fluminense satisfeitos – é sua média particular de gols, que nunca foi tão alta quanto nesta temporada. Ele já balançou as redes 20 vezes em 31 partidas, o que dá uma marca de 0,64 por jogo.
Com uma média dessas,  Dourado caminha a passos largos para quebrar outro recorde pessoal — de gols marcados numa temporada. Ele está a cinco de atingir os 25 anotados por Palmeiras e Portuguesa em 2014. De quebra, ainda pode se tornar o artilheiro do Brasil, posto que hoje ele divide com Fred. 
Média de gols
2017 – 0,64 (Fluminense)
2016 – 0,32 (Fluminense e Vitória de Guimarães)
2015 – 0,24 (Cruzeiro e Vitória de Guimarães)
2014- 0,47 (Portuguesa e Palmeiras)
2013 – 0,28 (Mogi Mirim, Santos e Portuguesa)
2012 – 0,53 (Cianorte e Chapecoense)
2011 – 0,23 (União São João-SP, Santo André e Cianorte-PR)
2010 – 0,25 (União São João)
Onde ele mais marcou
1º Fluminense – 22 gols
2º Palmeiras – 18
3º Cianorte-PR – 14
4º Vitória de Guimarães (Portugal) – 13
5º Portuguesa-SP – 10
FONTEExtra

FLU COBRARÁ VALOR MILIONÁrio DA DRYWORLD E FORMALIZARÁ PEDIDO DE URGÊNCIA NO JULGAMENTO

Clube entrou na Justiça do Canadá pedindo R$ 150 milhões
 
Vivendo uma crise financeira que não é novidade para ninguém, o Fluminense poderá ter um reforço de peso em seus cofres neste ano. Por descumprimento do contrato, o Tricolor cobra da Dryworld, sua antiga fornecedora de material esportivo, uma indenização de R$ 150 milhões na justiça do Canadá, país onde está a sede da empresa. O processo corre desde o começo do ano e, na próxima semana, haverá a formalização de um pedido de urgência no julgamento.
Não há data para o conhecimento da sentença, porém, ela deve sair ainda em 2017. O valor reivindicado pelo Flu se dá pelo valor total do contrato (R$ 20 milhões por cada um dos cinco anos) mais multa de 50%.
Uma das cláusulas do contrato dizia que o Fluminense poderia encerrar a parceria por conta de atrasos, o que foi oficializado. A Dryworld teve dificuldades de operação. Para entrar no mercado brasileiro, firmou sociedade com a empresa paranaense Rocamp. Houve desentendimento, e o caso parou na justiça. Assim, a matriz não fez pagamentos, o que gerou atrasos com fornecedores e dificuldades de produção e distribuição de material.
FONTEGloboesporte.com

quinta-feira, 22 de junho de 2017

EM SÃO PAULO, NEYMAR JOGA PELADA COM A CAMISA DO FLUMINENSE

Por questão de patrocinadores diferentes, atacante do Barcelona virou uniforme do avesso
 
Neymar no Fluminense? Não, o craque da seleção brasileira não está trocando o Barcelona pelo Tricolor das Laranjeiras. Mas numa pelada no clube Pinheiros, em São Paulo, onde batia bola com amigos enquanto curte férias da temporada europeia, vestiu a camisa do Flu.
O Fluminense é um dos times internos do clube. O uniforme usado é o do próprio Fluzão. Pelos patrocinadores do Tricolor serem diferentes dos seus, o atacante virou a camisa ao contrário. Seus companheiros usaram o manto normalmente.
De acordo com quem estava presente, Neymar “tirou o pé” na disputa, mas, ainda assim, fez dois gols na vitória da sua equipe por 6 a 4.

RECUPERANDO-SE DE UMA FRATURA, SORNOZA VIBRA COM TRIUNFO DO FLUMINENSE

Meia deve voltar aos gramados somente em setembro
 
Peça importantíssima do elenco tricolor, Sornoza segue em recuperação de uma fratura no tornozelo. Ainda engessado, o atleta acompanhou pela TV o triunfo do Fluminense na última noite, contra o Avaí, fora de casa, pelo Campeonato Brasileiro. Através de sua conta no Instagram, ele comemorou a conquista dos três pontos.
Veja:

MESMO COM VOLTA A EDSON PASSOS, FLU NÃO DESCARTA JOGAR NO ENGENHÃO, DIZ SITE

Botafogo concordou em reduzir valor do aluguel
 
O Maracanã é um equipamento caro, segundo o presidente do Fluminense, Pedro Abad, e soluções começam a ser trabalhadas. A volta a Edson Passos deve acontecer na 11ª rodada do Brasileiro, dia 3, contra a Chapecoense. Mas isso não significa dizer que o Engenhão, outra opção, esteja descartado.
De acordo com o site do canal Esporte Interativo, as diretorias de Flu e Botafogo negociam para que o Tricolor mande algumas partidas no Estádio Nilton Santos. Os presidentes Pedro Abad e Carlos Eduardo Pereira conversam diretamente. Para que as tratativas tinham um final feliz, o Alvinegro abaixou o preço do aluguel. Valores não foram revelados.
Breno Monsef, repórter da Rádio Transamérica, informou que a ideia é fechar um pacote de jogos com valor fixo ou um aluguel reduzido, que variaria de R$ 150 mil a R$ 200 mil.

CALAZANS POSTA FOTO ANTIGA E TIRA SARRO DE LÉO

Jovens mais Matheus Alessandro atuaram juntos na base
 
Amigos desde quando brigavam por um lugar ao sol em Xerém, Marquinhos Calazans, Léo e Matheus Alessandro curtem a promoção e o aproveitamento nos profissionais do Fluminense. Nas redes sociais, o camisa 30 publicou duas fotos, uma antiga e uma atual, destacando a diferença física do trio e aproveita para fazer uma gozação com o lateral-esquerdo Léo:

EM POSTAGEM, MARCELO TEIXEIRA DESTRINCHA TODO O TRABALHO FEITO EM XERÉM

Gerente geral da base destacou a importância da base do Fluminense
 
Gerente de geral das categorias de base do Fluminense e peça chave no departamento de futebol profissional do Tricolor das Laranjeiras, Marcelo Teixeira fez um longo texto em sua conta pessoal do Facebook para falar a respeito do trabalho que desempenha. Sem esconder o orgulho do processo adotado nas categorias inferiores do Time de Guerreiros, o dirigente destrinchou algumas das ações, através de sua conta pessoal no Facebook.
Confira:
Nos últimos dias a imprensa tem destacado bastante a utilização na equipe profissional dos jogadores formados nas divisões de base do Fluminense.
O clube chegou a uma marca impressionante de 18 jogadores utilizados esse ano e que foram formados em Xerém.
Escrevo esse texto por que gostaria de esclarecer e destacar algumas coisas e deixar claro que existe um projeto e uma filosofia por trás disso tudo que está acontecendo e sendo falado.
A chegada do treinador Abel e do gerente de futebol Alexandre Torres, ambos formados na base do Fluminense, e que hoje estão a frente do futebol profissional do clube, foram o ponta pé inicial para colocar em prática uma nova ideia de futebol no Fluminense. Uma nova filosofia.
Também é preciso destacar que esta utilização excessiva de jogadores formados em casa, está ocorrendo também muito em função das fortes restrições orçamentárias que foram impostas ao departamento de futebol. Sabemos que não se faz futebol apenas com jovens. Com atletas da base. Atletas experientes sempre serão fundamentais para qualquer projeto de futebol vencedor.
A nova gestão do presidente Abad, que iniciou em Dezembro de 2016, estabeleceu novos procedimentos de trabalho para o futebol, onde este terá que andar de forma totalmente alinhada com o departamento financeiro.
E assim, tendo que arcar esse ano com valores financeiros extremamente relevantes que foram assumidos em 2015 e 2016, o Fluminense viu seu fluxo de caixa para o ano de 2017 totalmente comprometido e bastante aquém de suas possibilidades de arrecadações. E com isso não restou outra opção para o clube, com objetivo de que as contas voltem a ficar equilibradas, que não fosse uma grande restrição financeira para todas as áreas e principalmente para o futebol.
O Fluminense só contratou um jogador em 2017. Sinto falta na imprensa de informações que destaquem quantos atletas cada clube contratou na série A. E quanto se gastou com essas contratações. Chega a ser inacreditável que um time com apenas uma contratação no ano, a custo zero, esteja conseguindo uma performance como a atual, onde por exemplo, o título do campeonato carioca diante de um adversário com um orçamento três ou quatro vezes maior só não veio por conta de uma arbitragem bastante infeliz no último jogo do campeonato.
E hoje começa a ficar bastante claro para todo o mercado do futebol que o trabalho realizado pelo treinador Abel Braga e pelo gerente de futebol Alexandre Torres + comissão técnica e demais integrantes do depto de futebol aliado ao projeto de base que começou a ser desenvolvido a cerca de três/quatro anos atrás, vem sustendo e fazendo com que o Fluminense tenha certo destaque no ano de 2017, mesmo diante de todas as grandes dificuldades citadas anteriormente.
E nosso projeto de base, que como citei começou a três/quatro anos atrás, pode ser considerado diferente do que vemos atualmente no mercado de futebol brasileiro.
Não sei dizer se é melhor ou pior, digo apenas que e diferente. Hoje existem vários clubes com excelentes profissionais fazendo grandes trabalhos de formação de atletas no Brasil. Impossível apontar que é melhor ou pior.
Mas o Fluminense seguiu um caminho diferente de todos. Um caminho próprio. Com objetivos definidos e bastante claros que tem como uma das metas criar uma identidade/marca própria de formação e desenvolvimento de atletas dentro do cenário do futebol brasileiro, sul-americano e mundial.
Criamos um Projeto de Plano de Carreira para os atletas formados na base. Criamos um Projeto Internacional. Estabelecemos um projeto de Performance junto com Michael Johnson Performance (que esse ano fomos obrigados a encerrar devido a restrições orçamentárias). Colocamos curso de inglês na base em parceria com a escola de idiomas Brasas. Assumimos o controle e a gestão total de um clube na Europa (cujo o custo anual representa a metade do salário de um bom jogador da equipe principal do Flu). Estabelecemos uma Metodologia própria de formação e desenvolvimento de atletas de alta performance. Fizemos inúmeras viagens internacionais com objetivo de qualificação pessoal e profissional dos atletas e profissionais da base do Flu. Criamos uma grande rede de Escolas de Futebol, Guerreirinhos, ligadas tecnicamente e metodologicamente as divisões de base do clube. Integração maior do futsal, através de métodos e plano de carreira para os profissionais do Futsal, com a Academia de Xerem. E desenvolvemos ainda diversos outros projetos de menor porte que também suportam e turbinam o processo de formação e desenvolvimento de atletas realizado em Xerem.
Seis pilares servem como sustentáculos de nosso projeto de formação e desenvolvimento de atletas: 1 – Filosofia e Gestão; 2 – Identificação de Talentos; 3 – Metodologia de Formação; 4 – Qualificação de Profissionais; 5 – Projeto Internacional; 6 – Infraestrutura e Tecnologia.
Tenho orgulho de destacar o lema que criei e que hoje serve como “Norte” para a filosofia e para o trabalho desenvolvido na base do Flu: “Faça uma melhor pessoa que teremos um melhor jogador de futebol”.
Essa filosofia está totalmente entrelaçada com a criação de nosso clube na Europa, onde possibilitamos aos nossos atletas uma oportunidade única de desenvolvimento pessoal (“Faça uma melhor pessoa e teremos um melhor jogador de futebol”) dentro de um país Europeu, através do aprendizado de uma nova língua (a língua oficial de nosso clube é o inglês e nossos atletas ao pisar em solo europeu recebem aulas diárias de inglês), vivenciar novas culturas (nosso clube está situado a uma distância pequena de capitais europeias importantes como Viena, Budapeste, Bratislava, Praga), experimentar novos hábitos alimentares, viver num clima e temperatura bastante adversa e completamente diferente do Brasil, conviver com pessoas (europeus) com mentalidade completamente diferente da brasileira, viver por conta própria e com isso assumir maiores responsabilidades em sua vida pessoal, distância da família e amigos e por fim, não menos importante, ter a vivencia e experiência dentro de um futebol totalmente diferente do brasileiro, onde as exigência físicas e táticas, principalmente, são muito mais fortes e complexas do que a que vivenciam no futebol brasileiro. Importante destacar que o treinador de nossa equipe na Europa é Europeu e com certificado UEFA Pro, grau máximo ofertado pela entidade maior do futebol europeu.
Vale destacar também que nosso clube na Europa ainda ajuda na Qualificação dos profissionais da base do Fluminense, que tem a oportunidade de “estágio” na Europa por períodos determinados de tempo. Hoje já são quatro profissionais da base do Flu com experiência de ao menos 6 meses de Europa.
O STK Fluminense Samorin, tem definido 8 objetivos claros num projeto que foi colocado no papel e que serve como base para todo o trabalho que é realizado.
E um desses objetivos, que é estabelecer e ampliar a marca do Fluminense no mercado europeu vem avançando de forma significativa.
Partindo para nosso terceiro ano de projeto, ainda um bebê recém-nascido, adotaremos a partir da próxima temporada um novo escudo na camisa que incorpora as cores verde, branco e grená, adotaremos o nome STK Fluminense Samorin, seguiremos usando a camisa do Fluminense em metade dos jogos, avançaremos nas transmissões dos jogos para o Brasil através da internet, avançaremos e intensificaremos o processo de comunicação única Fluminense Brasil e Fluminense Europa via mídias sociais, principalmente. Enfim, são diversas ações que visam divulgar o trabalho de formação de atletas e a marca Fluminense.
Um novo grupo de dez jogadores da base do Fluminense está em fase final de preparação para embarcar para a Europa nos próximos dias. Serão os próximos a beber da fonte STK Fluminense Samorin. Farão parte da equipe principal e equipe sub 19 na temporada europeia 2017-2018.
Serão os próximos a participar, como estamos dizendo internamente, de nosso MBA ou pos graduação na Europa.
Hoje no elenco principal do Fluminense temos o orgulho de destacar que diversos dos jogadores que começam a despontar na equipe, tiveram a oportunidade de passar por alguns dos projetos que citei acima.
Mais da metade desse atletas da base que estão no profissional do Fluminense tem ao menos o nível intermediário de inglês devido a um de nossos Pilares, o Projeto Internacional.
Satisfação enorme testemunhar o amadurecimento desse processo depois de um longo caminho percorrido.
Num texto que escrevi no começo desse ano, destaquei que todo o trabalho no futebol que envolve filosofia e metodologia para formação e desenvolvimento de atletas jovens, deve ser encarado como de longo prazo.
De forma prática, estamos a quase quatro anos construindo e desenvolvendo uma ideia de projeto na base do Fluminense. Está claro que muita coisa foi feita, porém está muito claro também que ainda temos muito o que fazer. Estamos talvez passando da fase de curto para médio prazo. O longo prazo ainda está a frente no horizonte.
E por saber disso, existem planos, objetivos, sonhos e claro, um planejamento de trabalho em direção a esse futuro. Em direção a esse longo prazo.
Porém o que é mais interessante e muito desafiador nessa história toda são os “issues” que temos que enfrentar e procurar endereçar da melhor forma possível para que esses projetos de longo prazo possam dar resultado, mesmo sabendo que quase todos eles são “issues” inerentes ao futebol brasileiro (e claro, muito prejudiciais a realização de um trabalho de excelência em formação de jovens atletas que sempre é de médio/longo prazo):
1 – Imediatismo – no futebol brasileiro, isso faz parte de nossa essência como povo que somos, o amanhã tem pouca importância. O hoje tem muita importância. Ninguém quer saber de projeto de médio/ longo prazo. Todos querem resultados imediatos. Não existe visão de futuro. Se não ganhou hoje, não presta. Se ganhou, é o melhor. A paciência não existe. O pavio é curto. Muitoooo curto por sinal.
2 – modelo político dos clubes – no Fluminense, alguns clubes pior, a cada três anos eleição. Eleição não, guerra. Nada importa nas eleições dos clubes que não seja a vitória nas urnas. “Um lado é excelente e o outro lado não presta.” Claro que isso afeta ou ameaça diretamente ou indiretamente qq trabalho de médio/longo prazo, já que constantes mudanças são realizadas nos deptos de futebol de acordo com os grupos políticos que vencem as eleições.
3 – situação social e econômica do país – esse ponto afeta diretamente o futebol brasileiro e a formação de atletas. Sabemos que a grande maioria de nossos jogadores vem de camadas sociais mais baixas. E temos inúmeros problemas sócias no país que afetam, principalmente, essas camadas da sociedade. Muitos dos meninos carregam problemas familiares graves que claro, afetam diretamente sua formação como ser humano, sua formação como pessoa. Temos um ensino público que não recebe a devida atenção das autoridades, que não recebe os devidos investimentos financeiros necessários. E se não tem atenção e investimento não pode ter alta qualidade. E assim, não conseguimos dar a educação necessária para nossos jovens cidadãos. E isso também afeta a formação como ser humano de nossos meninos. Quando tocamos nesse ponto fica claro o por que de nosso lema: ” Faça uma melhor pessoa e teremos um melhor jogador de futebol”
4 – ausência de um calendário nacional para as divisões de base – cada estado do país hoje trabalha da forma como entende. Seja no calendário de competições, seja nas regras dos campeonatos ou seja na atenção dada para as competições de base. São questões que interferem diretamente no trabalho de base que são desenvolvidos pelos clubes brasileiros.
Esses são pontos principais. Existem outros menores sem dúvida alguma.
Mas enfim, somos brasileiros. Estamos acostumados, lamentavelmente, a enfrentar problemas no dia a dia, que não deveriam nos ser impostos. Mas por um lado talvez isso seja bom pra gente. Somos mais “fortes”, mais criativos, mais batalhadores e mais insistentes. Talvez por isso temos os melhores jogadores do mundo.
Para finalizar, legal e muito importante destacar que todo esse trabalho da base do Fluminense só existe por causa de pessoas. Não vou citar nomes aqui por que senão ficaria o dia todo escrevendo, pois temos muita gente envolvida no processo. Um ambiente de trabalho sadio, alegre, motivador, desafiador, com pessoas dedicadas e apaixonadas pelo que fazem. Esse é o segredo por trás de tudo: pessoas.
Orgulho e gratidão a todos os envolvidos no trabalho de base do Fluminense são os melhores sentimentos que carrego comigo todos os meus dias”.
FONTENETFLU

CONFIRA RESULTADOS E CLASSIFICAÇÃO ATUALIZADA DO BRASILEIRO

Fluminense, momentaneamente, é o sexto
 
Seis jogos abriram a nona rodada do Campeonato Brasileiro, que segue com o mesmo líder e o mesmo lanterninha. Vitorioso em Florianópolis, o Fluminense saltou da 10ª para a 6ª colocação momentânea. Veja abaixo os resultados, a conclusão da rodada nesta quinta e a classificação atualizada:

ROMÁRIO FESTEJA 14 ANOS DE SEU ÚNICO GOL DE BICICLETA NA CARREIRA


Ex-atacante jogava pelo Fluminense

Um dos melhores atacantes que o Brasil já produziu, Romário relembrou de uma data importante para sua carreira nesta quinta-feira. Há exatos 14 anos, marcou seu primeiro e único gol de bicicleta. Foi pelo Fluminense, no Brasileiro de 2003, na goleada sobre o Guarani por 5 a 2. O Baixinho, então com 37 anos, marcou três gols.
HÁ 14 ANOS EU FAZIA MEU GOL DE BICICLETA PELO FLUMINENSE. GANHAMOS DO GUARANI POR 5 A 2. DOS 5 GOLS DO FLU, 3 FORAM MEUS #MEMORIASDOFUTEBOL

FONTERedação NETFLU

WELLINGTON SILVA AINDA NÃO DEVE ESTAR APTO PARA ENCARAR O SÃO PAULO

Atacante vem sofrendo com pubalgia
 
O aguardado retorno de Wellington Silva aos gramados não deve ocorrer no final de semana. Sem jogar desde 14 de maio, o atacante ainda precisa melhorar a forma física, após pubalgia, para ficar à disposição do técnico Abel Braga. Sendo assim, a tendência é que o treinador repita o trio de ataque diante do São Paulo, no Morumbi. As informações são do jornalista do Globoesporte.com, Hector Werlang.

TÉCNICO DO FLU REVELA QUE TERÁ DOIS RETORNOS PARA O JOGO CONTRA O SÃO PAULO


Wendel está garantido e Lucas deve jogar

Um dos melhores jogadores do Fluminense em 2017, Wendel volta ao time neste domingo. O técnico Abel Braga explicou o motivo de ter poupado o volante no duelo com Avaí, quarta, na Ressacada e, praticamente, garantiu a volta de Lucas.
– Se eu forço a barra, posso agravar a contusão do Wendel e perder para três ou quatro jogos. Domingo ele joga tranquilo, o Lucas deve voltar também e não teremos grandes alterações. Não reclamo, mas quando boto a cabeça no travesseiro eu penso: estou no terceiro time que já montei em seis meses, nove jogadores de fora, então, o coletivo fica abaixo.

OTIMISTA, REGINALDOMIRA TRIUNFO CONTRA O SÃO PAULO: "ESPERAMOS A MESMA FAÇANHA"

Zagueiro foi um dos destaques da vitória por 3 a 0 sobre o Avaí
 
Nada como uma goleada fora de casa para dar moral. Sem tomar conhecimento do adversário, o Time de Guerreiros não deu brecha e bateu o Avaí, na última noite, por 3 a 0, em duelo realizado na Ressacada. Um dos protagonista do confronto, Reginaldo espera que o Tricolor faça o mesmo diante do São Paulo, também como visitante.
– Esperamos sair de lá com a mesma façanha que na Ressacada. Temos mais um jogo difícil fora de casa. O São Paulo vem de duas derrotas, mas é um time forte. Quer vencer em casa. É mais difícil jogar contra um time nessa situação. Eles querem se recuperar, são fortes em casa. Temos mais dois treinos pela frente e vamos trabalhar para vencer o São Paulo. Temos que pensar sempre em vitória – comentou.

APÓS DOIS MESES, FLUMINENSE TERMINA UMA PARTIDA SEM SOFRER GOLS

Tricolor venceu o Avaí por 3 a 0
 
Depois de muito tempo, o Fluminense conseguiu passar uma partida “em branco” no setor defensivo, no 3 a 0 diante do Avaí. Desde o dia 22 de abril, num acumulado de 14 jogos, que os comandados do técnico Abel Braga não sabiam o que era terminar um confronto sem sofrer gols.
Com o resultado do duelo da última noite, na Ressacada, em Santa Catarina, o Tricolor alcançou a sexta posição na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro.